Novos dentes: não descuide da alimentação do bebê

Pravelmente, a fase de nascimento dos primeiros dentes é uma das mais difíceis enfrentadas pelos pais no primeiro ano do bebê. A coceira na gengiva faz o bebê ficar irritado e, algumas vezes, são relatados até quadro de febre. Isso ocorre por volta do sexto mês de vida, data que coincide com a introdução alimentar.

Para facilitar a erupção dos dentes, os bebês precisam ter a gengiva estimulada. Portanto, o ideal é servir alimentos passíveis de mastigação, como ramos de brócolis, cenouras ou outros vegetais cozidos, frutas em palitos, além de toda a gama dos alimentos da introdução alimentar em uma textura adequada, que estimule a mastigação (ou seja, não liquefeita ou passada na peneira).

Quando o bebê tem a oportunidade de mastigar com suas gengivas endurecidas desde o início da introdução alimentar, a saída dos dentes pode ser menos dolorosa. Uma introdução alimentar ideal, que estimule a apreciação de vários sabores de alimentos, evita uma posterior alimentação monótona, ou com excesso de açucares, alimentação que não favorece a saúde bucal.

Os bebês começam a ter os primeiros dentinhos de leite entre seis e sete meses e completam a dentição por volta dos dois a três anos. Esse tempo varia de criança para criança e não há motivos para se preocupar se demorar um pouco mais. Caso não haja sinal de nenhum dente até um ano e meio, é hora de levá-lo ao especialista para checar se está tudo bem.

Fonte: www.saude.terra.com.br


Nossos Convênios